Gestão Avançar na Luta

REDES SOCIAIS

17 de Dezembro de 2017 | Domingo

Dia 5 de dezembro tem greve geral contra a reforma da Previdência


Compartilhe

Boletim 1626 - Salvador, 30 de novembro de 2017  

Centrais sindicais (CTB, CUT, Nova Central, Força Sindical, CSB, UGT, Intersindical, CSP-Conlutas e CGTB) e movimentos sociais estão convocando os brasileiros para uma greve geral na terça (05), em protesto contra a proposta de reforma da Previdência do governo golpista de Michel Temer, prevista para ser votada na Câmara na semana que vem. Apesar de ter sofrido mudanças em relação ao texto original, apresentado no início do ano, o projeto continua bastante nocivo aos trabalhadores, em especial aos servidores públicos.

Pela proposta, a idade mínima para a aposentadoria será de 65 anos para os homens e 62 anos para as mulheres. O tempo de contribuição mínimo dos servidores foi mantido em 25 anos, enquanto a dos empregados do setor privado ficou em 15 anos, o mesmo prazo exigido hoje.

A transição prevê que, em 2018, homens e mulheres do setor privado terão de ter 53 e 55 anos, respectivamente, para obter a aposentadoria. No caso dos servidores, o limite é 55/60. As idades sobem um ano a cada dois anos. Em 2020, na área privada, para se aposentar, mulheres terão que ter 54 anos e homens, 56. E assim segue-se até que em 2038 se alcance os 65 anos.

O Sindsefaz está convocando os fazendários para participarem da greve geral, inclusive se incorporando às atividades que as centrais sindicais convocarão em Salvador e outras cidades do Estado. Na capital, o Sindicato vai organizar a caravana saindo da sede da entidade. Aguardaremos apenas a divulgação das ações que ocorrerão.

Para o presidente da CTB-BA, Pascoal Carneiro, é importante que a população reaja a essa reforma danosa, que compromete não apenas a aposentadoria, mas o futuro dos trabalhadores e trabalhadoras do país. “O que o governo quer, junto com os corruptos do Congresso, é prejudicar quem trabalha duro e quem tem construído, de fato, este país. A nossa aposentadoria não pode ficar nas mãos desse presidente e desse Congresso, que aumentam seus privilégios em detrimento do empobrecimento geral da nação, comprometendo o futuro, a paz e a vida no Brasil. Por um país mais justo, lutaremos”, avisa ele.